Black na Cena


A empresa http://www.fla-con.com.br banheiros químicos prestou seus serviços neste evento.

Tribe 10 Anos

O evento Tribe 10 anos foi um sucesso confira as fotos





















fotos: Priscila Mariana.

A Fla-Con forneceu os Banheiros Químicos para o evento Tribe 10 anos


FLIP 2011 - Encerramento







PARATY, RJ (O REPÓRTER) – A edição de 2011 da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) se encerrou neste domingo (10). Entre as três mesas do último dia, o destaque foi a participação de David Byrne, ex-vocalista da banda Talking Heads.

A primeira mesa do dia, que aconteceu pela manhã, foi “pensamento canibal”, que contou com a presença do escritor João Cezar de Castro Rocha e do jornalista Eduardo Sterzi. Os dois discutiram antropofagia, a qual Castro Rocha afirmou que precisa ser repolitizada.

- É indispensável fazê-lo num mundo globalizado. A antropofagia não é apenas a imaginação teórica na alteridade, mas sim num conjunto de relações econômicas, políticas e culturais assimétricas. É uma arma de combate acionada por quem está no pólo menos favorecido – disse.

Ainda pela manhã, teve início a segunda mesa. Chamada “Tour dos trópicos”. Além de David Byrne, a mesa teve também o especialista em urbanismo Eduardo Vasconcellos. O músico escocês promoveu seu livro “Diários de Bicicleta”, no qual relata suas viagens por cidades do mundo.




Byrne explicou que seu livro aborda o atual modelo de urbanismo e diz ser insustentável. Ele propõe as bicicletas como solução.


- Quanto mais pessoas andam de bicicleta, o número de acidentes com ciclistas diminui – falou o músico.

Eduardo Vasconcellos deu uma opinião parecida e explicou o que acontece hoje nas grandes cidades do mundo, especialmente dos países em desenvolvimento.

- Nós criamos cidades hostis.

A elite precisa do automóvel para sobreviver. No governo, as pessoas têm automóveis. Naturalmente, os decisores optam pelas opções em favor do automóvel – afirmou.


Por volta das 14h30min, começou a terceira mesa do dia, “Em nome do pai”. Participaram dela os escritores colombianos Héctor Abad e Laura Restrepo, que promoviam seus livros “A Ausência que Seremos” e “Heróis Demais”, respectivamente.

O livro de Abad fala sobre a história de vida de seu pai, Héctor Abad, Gómez, morto por esquadrões da morte por sua luta pelos direitos humanos. Já a obra de Restrepo fala sobre um jovem que conta com a ajuda da mãe para encontrar seu pai, que não vê desde a infância.

-



A obra de Laura me comoveu muito. Por isso quero falar sobre o livro dela. É especial porque se trata da busca por um pai – disse Abad.


A Flip 2011 teve seu encerramento com o grupo paulistano de teatro Oficina Uzyna Uzona, que encenaram a peça “Macumba Antropófaga”. A apresentação foi repleta de cenas de nudez e simulação de sexo, sem trama linear, com cenas curtas e diálogos rimados. Houve reprodução de cenas do cinema, como o nascimento de Macunaíma e a cena do corte do olho por uma navalha de “Um Cão Andaluz”, clássico de 1928 de Luis Buñuel.

Ao fim do espetáculo, os autores Pola Oloixarac, valter hugo mãe e Eduardo Sterzi foram convidados a ler trechos de seus livros favoritos.


fonte matéria: O Reporter

fotos: Flavio Clemente

A empresa Fla-Con prestou seu serviços para a Flip disponibilizando Banheiros Químicos espalhados por Paraty.

Tribe 10 anos.




Depois de uma pausa de dois anos, uma das raves mais tradicionais do país confirma a realização de uma nova edição. E o melhor: para comemorar uma década de existência. A Tribe especial 10 anos acontece no dia 16 de julho, no Horas da Corte, em Helvetia, região de Campinas, no interior paulista. O festival vai ser dividido em quatro tendas: Solaris, dedicado ao trance e suas vertentes, Tribe Club, onde vai rolar muito techno, The World Stage, cheio de experimentações, e Backstage House Village, local reservardo aos amantes da house music.

No line-up, estão confirmados nomes como Life Style, Wrecked Machines, Swarup, Paul Manzon, Marcio Vermelho, Tahira e Felguk. Compre ingressos nos pontos de venda autorizados ou no sites www.showdebola.com.br e www.carambolarecords.com.br.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Local: Haras da Corte
Endereço: Rodovia Santos Dummont, saída 66 - Helvetia - Campinas - SP
Preço:
1º lote (até 7 de julho):
Pista: R$ 70
Backstage House Village: R$ 110

2º lote (até 14 de julho):
Pista: R$ 80
Backstage House Village: R$ 120

3º lote (até 16 de julho):
Pista: R$ 90
Backstage House Village: R$ 130

Desfile 9 de Julho Parque Ibirapuera


O dia 9 de julho, que marca o início da Revolução Constitucionalista de 1932, é a data cívica mais importante do estado de São Paulo e feriado estadual. A data, foi instituída pela Lei Estadual 9.497, promulgada no dia 05 de março de 1997, pelo então governador Mário Covas.

A Revolução Constitucionalista de 1932, também chamada de Revolução de 1932 ou Guerra Paulista, foi o movimento armado ocorrido no Estado de São Paulo, entre os meses de julho e outubro de 1932, apoiado pelo Mato Grosso, tendo como objetivo a derrubada do Governo Provisório de Getúlio Vargas e a promulgação de uma nova constituição para o Brasil.

O movimento está entre os maiores conflitos civis da história do Brasil e um dos mais importantes acontecimentos políticos do país.

Foi uma resposta paulista à Revolução de 1930, a qual acabou com a autonomia de que os estados gozavam durante a vigência da Constituição de 1891. A Revolução de 1930 impediu a posse do governador de São Paulo Júlio Prestes na presidência da República e derrubou do poder o presidente da república Washington Luís, que fora governador de São Paulo de 1920 a 1924, colocando fim à República Velha.

O estopim da revolta já havia sido aceso no dia 23 de maio de 1932 (por isso a homenagem da Av. 23 de Maio) quando durante a manifestação na Pça da República 4 jovensdesfile3 estudantes Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo foram mortos pela polícia política da ditadura, suas iniciais formam a sigla MMDC, o grande símbolo da revolução. Foi a primeira grande revolta contra o governo de Getúlio Vargas e o último grande conflito armado ocorrido no Brasil.

No total, foram 87 dias de combates, (de 9 de julho a 4 de outubro de 1932 – sendo o último dois dias depois da rendição paulista), com um saldo oficial de 934 mortos, embora estimativas, não oficiais, reportem até 2200 mortos, sendo que numerosas cidades do interior do estado de São Paulo sofreram danos devido aos combates.
São Paulo, depois da revolução de 32, voltou a ser governado por paulistas, e, dois anos depois, uma nova constituição foi promulgada, a Constituição de 1934




A Fla-Con vai estar disponibilizando seus sanitários nesse evento