FLIP 2011 - Encerramento







PARATY, RJ (O REPÓRTER) – A edição de 2011 da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) se encerrou neste domingo (10). Entre as três mesas do último dia, o destaque foi a participação de David Byrne, ex-vocalista da banda Talking Heads.

A primeira mesa do dia, que aconteceu pela manhã, foi “pensamento canibal”, que contou com a presença do escritor João Cezar de Castro Rocha e do jornalista Eduardo Sterzi. Os dois discutiram antropofagia, a qual Castro Rocha afirmou que precisa ser repolitizada.

- É indispensável fazê-lo num mundo globalizado. A antropofagia não é apenas a imaginação teórica na alteridade, mas sim num conjunto de relações econômicas, políticas e culturais assimétricas. É uma arma de combate acionada por quem está no pólo menos favorecido – disse.

Ainda pela manhã, teve início a segunda mesa. Chamada “Tour dos trópicos”. Além de David Byrne, a mesa teve também o especialista em urbanismo Eduardo Vasconcellos. O músico escocês promoveu seu livro “Diários de Bicicleta”, no qual relata suas viagens por cidades do mundo.




Byrne explicou que seu livro aborda o atual modelo de urbanismo e diz ser insustentável. Ele propõe as bicicletas como solução.


- Quanto mais pessoas andam de bicicleta, o número de acidentes com ciclistas diminui – falou o músico.

Eduardo Vasconcellos deu uma opinião parecida e explicou o que acontece hoje nas grandes cidades do mundo, especialmente dos países em desenvolvimento.

- Nós criamos cidades hostis.

A elite precisa do automóvel para sobreviver. No governo, as pessoas têm automóveis. Naturalmente, os decisores optam pelas opções em favor do automóvel – afirmou.


Por volta das 14h30min, começou a terceira mesa do dia, “Em nome do pai”. Participaram dela os escritores colombianos Héctor Abad e Laura Restrepo, que promoviam seus livros “A Ausência que Seremos” e “Heróis Demais”, respectivamente.

O livro de Abad fala sobre a história de vida de seu pai, Héctor Abad, Gómez, morto por esquadrões da morte por sua luta pelos direitos humanos. Já a obra de Restrepo fala sobre um jovem que conta com a ajuda da mãe para encontrar seu pai, que não vê desde a infância.

-



A obra de Laura me comoveu muito. Por isso quero falar sobre o livro dela. É especial porque se trata da busca por um pai – disse Abad.


A Flip 2011 teve seu encerramento com o grupo paulistano de teatro Oficina Uzyna Uzona, que encenaram a peça “Macumba Antropófaga”. A apresentação foi repleta de cenas de nudez e simulação de sexo, sem trama linear, com cenas curtas e diálogos rimados. Houve reprodução de cenas do cinema, como o nascimento de Macunaíma e a cena do corte do olho por uma navalha de “Um Cão Andaluz”, clássico de 1928 de Luis Buñuel.

Ao fim do espetáculo, os autores Pola Oloixarac, valter hugo mãe e Eduardo Sterzi foram convidados a ler trechos de seus livros favoritos.


fonte matéria: O Reporter

fotos: Flavio Clemente

A empresa Fla-Con prestou seu serviços para a Flip disponibilizando Banheiros Químicos espalhados por Paraty.

0 comentários:

Postar um comentário